Você está aqui

Bosch arruma cockpit dos carros

Como os displays digitais e a assistência por controlo de voz estão a revolucionar a condução

Redescobrir a experiência de condução com o HMI.

Centro de comando inteligente: o condutor controla as funções do carro usando comandos de voz e um ecrã sensível ao toque com resposta háptica.

Inteligência artificial no cockpit: o HMI antecipa e prioriza informações em tempo real.

Computador central no cockpit controla o HMI.

Mar­ga­ri­da Tro­ni | Lift Con­sul­ting | Bos­ch

Hil­desheim, Las Ve­gas – Du­ran­te anos, os ecrãs tác­teis, o re­co­nhe­ci­men­to da es­cri­ta ma­nu­al e o con­tro­lo ges­tu­al fo­ram gra­du­al­men­te subs­ti­tuin­do os bo­tões me­câ­ni­cos con­ven­ci­o­nais e os in­ter­rup­to­res no car­ro em nome da se­gu­ran­ça ro­do­viá­ria. Afi­nal, con­tro­lar o sis­te­ma de na­ve­ga­ção, o menu do com­pu­ta­dor de bor­do ou o rá­dio é uma dis­tra­ção. No CES 2018, em Las Ve­gas, a Bos­ch apre­sen­ta uma tec­no­lo­gia de cock­pit in­te­li­gen­te que per­mi­te que os con­du­to­res se con­cen­trem na con­du­ção e man­te­nham os olhos na es­tra­da. Es­ta­mos a ar­ru­mar o cock­pit. Em veí­cu­los mo­der­nos, quan­to mais com­ple­xa a tec­no­lo­gia, mais sim­ples e in­tui­ti­vos os sis­te­mas de con­tro­lo têm de ser.”, afir­ma Dr. Stef­fen Berns, Pre­si­den­te da di­vi­são Bos­ch Car Mul­ti­me­dia. A in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al aju­da a trans­for­mar o in­ter­fa­ce ho­mem-má­qui­na (HMI) num cen­tro de co­man­dos que con­se­gue pen­sar mais adi­an­te. As fun­ci­o­na­li­da­des ini­ci­ais como a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al for­ne­cem in­for­ma­ções va­li­o­sas ao HMI so­bre o con­du­tor, o veí­cu­lo e o que acon­te­ce em re­dor. Isso per­mi­te o ajus­te pro­a­ti­vo de dis­plays e con­tro­los a qual­quer si­tu­a­ção de con­du­ção”, ex­pli­ca Berns. A Bos­ch apro­vei­ta es­sas in­for­ma­ções para o de­sen­vol­vi­men­to da con­du­ção au­tó­no­ma. Aqui tam­bém, o HMI é o ele­men­to cen­tral que per­mi­te uma in­te­ra­ção ide­al en­tre pes­so­as e veí­cu­los.

Utilizar o HMI sem se distrair

De acor­do com o Al­li­anz Cen­ter for Te­ch­no­logy, 63 por cen­to dos con­du­to­res na Ale­ma­nha uti­li­za os sis­te­mas de na­ve­ga­ção du­ran­te a con­du­ção; 61 por cen­to pas­sa de es­ta­ção de rá­dio em es­ta­ção de rá­dio; e 43 por cen­to na­ve­ga nos me­nus com­pli­ca­dos dos seus com­pu­ta­do­res de bor­do. Dis­tra­ções como es­tas es­tão en­tre as cau­sas mais fre­quen­tes de aci­den­tes. O nos­so tra­ba­lho é fa­zer do HMI um com­pa­nhei­ro fiá­vel em to­das as si­tu­a­ções”, afir­ma Berns.

No co­ra­ção do HMI está um as­sis­ten­te con­tro­la­do por voz que res­pon­de ao dis­cur­so na­tu­ral da pes­soa e pode até en­ten­der di­fe­ren­tes di­a­le­tos (por­tu­guês in­clu­so). Gra­ças à com­pre­en­são da lin­gua­gem na­tu­ral (NLU), os con­du­to­res po­dem con­ver­sar com a as­sis­ten­te Ca­sey exa­ta­men­te como fa­ri­am com um pas­sa­gei­ro. Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca de Ca­sey é a sua ca­pa­ci­da­de de an­te­ci­par. Com base na in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, pode apren­der a pre­ver des­ti­nos pro­vá­veis de­pen­den­do da hora do dia; ou caso seja so­li­ci­ta­do que li­gue o rá­dio, co­nhe­ce as pre­fe­rên­ci­as do con­du­tor, como ou­vir as no­tí­ci­as de ma­nhã e mú­si­ca à noi­te.

Displays digitais tornam a condução mais segura

Cer­ca de 90 por cen­to da nos­sa cap­ta­ção sen­so­ri­al é fei­ta atra­vés da vi­são. Isso sig­ni­fi­ca que, en­quan­to con­du­to­res, pre­ci­sa­mos de ter a in­for­ma­ção re­le­van­te no mo­men­to cer­to e di­re­ta­men­te no nos­so cam­po de vi­são. Os dis­plays di­gi­tais es­tão a to­mar con­ta do cock­pit e fa­zem mais do que sim­ples­men­te mos­trar a ve­lo­ci­da­de, as rpm(s) e o al­can­ce da con­du­ção. Os seus al­go­rit­mos in­te­li­gen­tes são ca­pa­zes de apren­der e pri­o­ri­zar con­teú­do: se as es­tra­das são es­cor­re­ga­di­as, os con­du­to­res vão ime­di­a­ta­men­te re­ce­ber um si­nal de aler­ta no cam­po de vi­são, en­quan­to as in­for­ma­ções me­nos im­por­tan­tes como a es­ta­ção de rá­dio atu­al são al­te­ra­das para ou­tro dis­play. Isto aju­da a man­ter o con­du­tor con­cen­tra­do na es­tra­da.

No que diz res­pei­to aos apa­re­lhos de en­tre­te­ni­men­to, ao ar con­di­ci­o­na­do e ao rá­dio, os ecrãs tác­teis e os con­tro­la­do­res cen­trais têm uma des­van­ta­gem de­ci­si­va: o con­du­tor tem de in­se­rir os co­man­dos com a má­xi­ma pre­ci­são. A uma ve­lo­ci­da­de de 50 km/​h, o car­ro vi­a­ja­rá 30 me­tros en­quan­to os olhos do con­du­tor não es­tão aten­tos à es­tra­da du­ran­te dois se­gun­dos; a 120 km/​h na au­to­es­tra­da, a dis­tân­cia au­men­ta para mais de 60 me­tros – con­du­ção cega. Os dis­plays do car­ro com res­pos­ta háp­ti­ca per­mi­tem uma ope­ra­ção mais fá­cil de to­das as fun­ci­o­na­li­da­des – por exem­plo, fun­ções de rá­dio e te­le­fo­ne -, mais rá­pi­das, mais sim­ples e, o mais im­por­tan­te, mais se­gu­ra”, afir­ma Berns. As te­clas exi­bi­das nos dis­plays háp­ti­cos trans­mi­tem a sen­sa­ção de que o uti­li­za­dor está a ajus­tar o vo­lu­me usan­do um con­tro­le des­li­zan­te real. Como re­sul­ta­do, os con­du­to­res po­dem man­ter os seus olhos na es­tra­da por mais tem­po.

Computador central no cockpit controla a HMI

Uma das con­sequên­ci­as da avan­ça­da tec­no­lo­gia do cock­pit é o au­men­to da pro­cu­ra de po­tên­cia de pro­ces­sa­men­to, fi­a­ção e ar­qui­te­tu­ra de re­des de bor­do. Nos veí­cu­los de pro­du­ção atu­ais, 5, 10 ou até 15 uni­da­des de con­tro­lo ele­tró­ni­co exe­cu­tam dis­plays e dis­po­si­ti­vos ele­tró­ni­cos. É ne­ces­sá­rio mais ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to para mos­trar in­for­ma­ções co­or­de­na­das em to­dos os mo­ni­to­res. No fu­tu­ro, a Bos­ch irá exe­cu­tar todo o HMI atra­vés de um com­pu­ta­dor de cock­pit e irá in­te­grar mais fun­ci­o­na­li­da­des num úni­co pro­ces­sa­dor cen­tral. Isso irá pos­si­bi­li­tar a con­ver­gên­cia e sin­cro­ni­za­ção do sis­te­ma de in­fo­tain­ment do pai­nel de ins­tru­men­tos e de ou­tros mo­ni­to­res para que qual­quer in­for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca pos­sa ser ge­ri­da e exi­bi­da em qual­quer mo­men­to e em qual­quer par­te do veí­cu­lo. Dá aos con­du­to­res e pas­sa­gei­ros pos­si­bi­li­da­des pra­ti­ca­men­te ili­mi­ta­das de ajus­tar o ar con­di­ci­o­na­do, con­tro­lar o sis­te­ma de na­ve­ga­ção ou mu­dar es­ta­ções de rá­dio, de qual­quer lu­gar do veí­cu­lo”, ex­pli­ca Berns. Além dis­so, re­du­zir o nú­me­ro de uni­da­des de con­tro­lo tam­bém li­ber­ta es­pa­ço de ins­ta­la­ção va­li­o­so, re­duz o peso do veí­cu­lo e o tem­po ne­ces­sá­rio para o de­sen­vol­vi­men­to de veí­cu­los no­vos. No fu­tu­ro, as atu­a­li­za­ções no ar irão as­se­gu­rar que o com­pu­ta­dor do cock­pit e, por­tan­to, todo o HMI, seja man­ti­do atu­a­li­za­do com um pro­ces­so sim­ples, o mes­mo que é usa­do para smartpho­nes.

Artigos relacionados