Você está aqui

Comunicação: Bosch coloca assistente de voz ao volante em Português (M/​F)

A Bosch está a colocar um ponto final ao caos no cockpit. Transformámos o assistente de voz num passageiro”, diz o Dr. Dirk Hoheisel, membro do Conselho de Administração da Robert Bosch GmbH.

A voz na Bosch é, por natureza, multilingue e não exige uma conexão de dados externa para suporte.

Casey”, Linda” ou Michael”: o condutor decide o nome do assistente de voz da Bosch.

Via Mar­ga­ri­da Troni/​Lift Consulting/​Bosch

Hil­desheimEu sou a Ca­sey, a tua nova pas­sa­gei­ra. Es­tás pron­to para co­me­çar?” As­sis­ten­tes de voz como Ale­xa, Siri, Go­o­gle, Cor­ta­na e Bixby as­su­mi­ram o con­tro­lo de ca­sas in­te­li­gen­tes, da ilu­mi­na­ção e do as­pi­ra­dor do pó – e a Bos­ch co­lo­ca ago­ra o as­sis­ten­te de voz ao vo­lan­te do veí­cu­lo. Esta tec­no­lo­gia re­cém-de­sen­vol­vi­da li­ber­ta os con­du­to­res de dis­tra­ções para que se pos­sam con­cen­trar na sua ta­re­fa es­sen­ci­al.

Quan­do os con­du­to­res en­tram num car­ro mo­der­no, po­dem, por ve­zes, sen­tir-se como um pi­lo­to de avião de­vi­do aos bo­tões, te­las ou um menu de na­ve­ga­ção con­fu­so com mil sub­me­nus. A Bos­ch está a por um pon­to fi­nal ao caos dos bo­tões no cock­pit. Em vez dis­so, trans­for­má­mos o as­sis­ten­te de voz num pas­sa­gei­ro”, afir­ma Dr. Dirk Hohei­sel, mem­bro do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Ro­bert Bos­ch GmbH. O as­sis­ten­te, que res­pon­de ao nome Ca­sey” na pri­mei­ra vez que o con­du­tor en­tra no car­ro, tor­na a con­du­ção mais se­gu­ra e mais con­for­tá­vel.

De acor­do com um es­tu­do do Al­li­anz Cen­ter for Te­ch­no­logy, os con­du­to­res são fre­quen­te­men­te dis­traí­dos, por exem­plo, quan­do ope­ram o sis­te­ma de na­ve­ga­ção, ajus­tam o ar con­di­ci­o­na­do ou res­pon­dem a uma cha­ma­da te­le­fó­ni­ca. Este tipo de dis­tra­ções é uma das prin­ci­pais cau­sas de aci­den­tes ro­do­viá­ri­os.

Res­pon­de a cada pa­la­vra – mes­mo of­fli­ne

As fun­ções dos co­man­dos de voz do pas­sa­do eram de pou­ca aju­da e e fre­quen­te­men­te es­tru­tu­ra­das como um menu de op­ções pos­sí­veis. O con­du­tor ti­nha de sa­ber a es­tru­tu­ra na me­mó­ria e ler os co­man­dos ne­ces­sá­ri­os no vi­sor do car­ro, algo que se tor­na­va al­ta­men­te dis­tra­ti­vo. Diga o que qui­ser da ma­nei­ra que qui­ser di­zer: a Bos­ch co­lo­ca um as­sis­ten­te de voz no car­ro que per­ce­be o con­du­tor exa­ta­men­te como ou­tra pes­soa o fa­ria”, diz Hohei­sel. O as­sis­ten­te da Bos­ch não res­pon­de a co­man­dos de pa­la­vras rí­gi­das. O sis­te­ma de re­co­nhe­ci­men­to de voz per­ce­be es­tru­tu­ras de fra­ses na­tu­rais, in­cluin­do so­ta­ques e di­a­le­tos de 30 paí­ses do mun­do (en­tre eles o Por­tu­guês). O in­glês não é sim­ples­men­te in­glês para a ta­len­to­sa lin­guis­ta Ca­sey, que fala um di­a­le­to bri­tâ­ni­co, ame­ri­ca­no, ne­o­ze­lan­dês ou aus­tra­li­a­no.

Mais de uma dé­ca­da de tra­ba­lho foi in­ves­ti­da no de­sen­vol­vi­men­to do con­tro­lo de voz. A Ca­sey é ca­paz de fa­zer algo que vai além das ca­pa­ci­da­des dos con­cor­ren­tes mais co­nhe­ci­dos: pen­sa mais à fren­te e apren­de. Se, por exem­plo, o con­du­tor qui­ser li­gar ao Paul”, o sis­te­ma vai au­to­ma­ti­ca­men­te aos con­ta­tos e con­si­de­ra a lo­ca­li­za­ção, a hora e a si­tu­a­ção atu­al do con­du­tor an­tes de res­pon­der. No ca­mi­nho do es­cri­tó­rio, de ma­nhã, Paul” pro­va­vel­men­te é o co­le­ga de tra­ba­lho, e esse mes­mo nome à noi­te pode se re­fe­rir ao me­lhor ami­go. Para ter a cer­te­za, Ca­sey faz uma per­gun­ta: En­con­trei cin­co con­ta­tos cha­ma­dos Paul. Quer li­gar ao Paul Ste­ven­son?” Essa de­pen­dên­cia do con­tex­to é uma pri­mei­ra eta­pa da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al.

Ou­tra par­te des­ta tec­no­lo­gia so­fis­ti­ca­da: o con­du­tor pode, por exem­plo, in­se­rir en­de­re­ços de des­ti­no em Fran­ça em fran­cês sem ter que fa­zer, ma­nu­al­men­te, al­te­ra­ções nas con­fi­gu­ra­ções. Um exem­plo: Leve-me para Champ de Mars, Cinq Ave­nue Ana­to­le Pa­ris”. A Ca­sey com­pre­en­de o des­ti­no au­to­ma­ti­ca­men­te e cal­cu­la a rota para a Tor­re Eif­fel.

Além dis­so: o as­sis­ten­te da Bos­ch não ne­ces­si­ta de uma co­ne­xão de da­dos ex­ter­na. O sis­te­ma de in­fo­tain­ment do car­ro as­su­me o cál­cu­lo sem en­vi­ar da­dos para a nu­vem, e a Ca­sey per­ma­ne­ce com os con­du­to­res em tú­neis, áre­as com pou­ca co­ber­tu­ra de rede mó­vel e paí­ses nos quais o smartpho­ne está des­co­nec­ta­do.

Res­pon­de a qual­quer nome

A con­ver­sa no car­ro tor­na-se ain­da mais pes­so­al quan­do o con­du­tor pode cha­mar o as­sis­ten­te por um nome à sua es­co­lha. Os dias em que o sis­te­ma de co­man­do de voz res­pon­de ape­nas ao nome dado pelo fa­bri­can­te são par­te do pas­sa­do. In­de­pen­den­te­men­te de ser cha­ma­do de Ca­sey”, Mi­cha­el” ou Lin­da”, o sis­te­ma de re­co­nhe­ci­men­to de voz da Bos­ch en­ten­de e fala 30 idi­o­mas di­fe­ren­tes com um to­tal de 44 vo­zes de mu­lhe­res e 9 vo­zes mas­cu­li­nas. O con­du­tor ati­va o as­sis­ten­te ao di­zer Hey, Ca­sey” ou uti­li­zan­do o novo nome, e ini­cia no­vos diá­lo­gos sim­ples­men­te ao fa­lar di­re­ta­men­te com o as­sis­ten­te, não ten­do que es­pe­rar por um to­que an­tes de co­me­çar a fa­lar.

Artigos relacionados