Você está aqui

IMSA: Barbosa, Albuquerque e Fittipaldi no topo da tabela.

João Bar­bo­sa, Fi­li­pe Al­bu­quer­que e Ch­ris­ti­an Fit­ti­pal­di ter­mi­na­ram as duas pri­mei­ras ses­sões de tes­tes da Roar Be­fo­re 24, no co­man­do da ta­be­la de clas­si­fi­ca­ções. Na pri­mei­ra ses­são o Ca­dil­lac DPi-V.R #5 da ac­ti­on Ex­press fez a vol­ta mais rá­pi­da em 01:37.266, com Fi­li­pe Al­bu­quer­que ao co­man­dos. Já na se­gun­da ses­são foi com João Bar­bo­sa que o Ca­dil­lac mar­cou no­va­men­te a me­lhor vol­ta, des­ta vez com 01:37.196.

Os tes­tes des­te fim-de-se­ma­na são mui­to re­la­ti­vos quan­to ao real an­da­men­to dos car­ros e, em­bo­ra este seja um bom in­di­ca­dor para a equi­pa, Fi­li­pe Al­bu­quer­que é pe­ren­tó­rio:

É bom co­me­çar na fren­te no en­tan­to é pou­co sig­ni­fi­ca­ti­vo. As equi­pas es­tão to­das a tra­ba­lhar no set-up’ e tudo pode mu­dar de um mo­men­to para o ou­tro. Na ver­da­de não acre­di­to mui­to no an­da­men­to que de­ter­mi­na­dos car­ros mos­tra­ram hoje. Vai ha­ver sur­pre­sas cer­ta­men­te. Mas o im­por­tan­te é que te­mos par­te do nos­so tra­ba­lho fei­to e va­mos con­ti­nu­ar a se­guir em fren­te e fi­car mui­to aten­tos aos nos­sos ad­ver­sá­ri­os. Ain­da te­mos dois lon­gos dias de trei­nos pela fren­te. Va­mos ver o que nos es­pe­ra”

Tal­vez nos trei­nos cro­no­me­tra­dos de do­min­go, onde são atri­buí­dos os es­pa­ços na pi­tla­ne e as bo­xes, o rit­mo pos­sa es­tar mais per­to da re­a­li­da­de, mas, mes­mo as­sim, Al­bu­quer­que tem dú­vi­das:

Não sei! Para ser ho­nes­to, es­pe­ci­al­men­te na Roar. Nin­guém quer mos­trar os seus trun­fos. Pen­so que to­dos te­re­mos re­ceio de dar o má­xi­mo, isso ía mos­trar de­ma­si­a­do as pos­si­bi­li­da­des que cada um tem e, nes­ta fase, isso não é mui­to bom. Va­mos ver como cor­re.” afir­mou o pi­lo­to por­tu­guês.

Já Fer­nan­do Alon­so co­men­tou à IMSA: Ape­nas pude dar 3 vol­tas à pis­ta da par­te da ma­nhã, mas foi o su­fi­ci­en­te para sen­tir o car­ro e a pis­ta.” dis­se o pi­lo­to es­pa­nhol.

…é mais ou me­nos como em In­di­a­ná­po­lis, pri­mei­ro que tudo te­mos de apren­der no­vas téc­ni­cas de pi­lo­ta­gem. Es­tou a apren­der com os es­pe­ci­a­lis­tas da en­du­ran­ce e ten­tar ser um pi­lo­to me­lhor no fi­nal des­tas 24 ho­ras; é a mi­nha pri­mei­ra in­ten­ção. É a pri­mei­ra vez numa cor­ri­da de en­du­ran­ce, a pri­mei­ra vez a gui­ar um pro­tó­ti­po, a pri­mei­ra vez a gui­ar à noi­te e a pri­mei­ra vez a gui­ar com car­ros de GT à mi­nha vol­ta. São mui­tas coi­sas no­vas, pelo que te­nho que avan­çar um pas­so de cada vez.”

Quan­to aos res­tan­tes pi­lo­tos por­tu­gue­ses em pis­ta, An­tó­nio Fé­lix da Cos­ta, Jac­kie Chan DCR Jota Ore­ca LMP2 #78, fi­cou em 13º na pri­mei­ra ses­são de trei­nos e em 5º na se­gun­da. Já Ál­va­ro Pa­ren­te, a cor­rer pela Mi­cha­el Shank Ra­cing com o Acu­ra NSX GT3 da clas­se GTD #86, co­lo­cou-se em 21º na pri­mei­ra ses­são de trei­nos e em 10º na se­gun­da.

Lem­bra­mos que tan­to para Pa­ren­te como para Fé­lix da Cos­ta, esta é uma nova ex­pe­ri­ên­cia que tam­bém obri­ga a no­vas apren­di­za­gens, pelo que os re­sul­ta­dos ob­ti­dos não de­ve­rão ser ti­dos como mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vos.

Artigos relacionados