Você está aqui

IMSA: Cadillac DPi-V.R domina Roar before 24

Ac­ti­on Ex­press Ca­dil­lacs DPi-V.R Mus­tang Sam­pling and Whe­len En­gi­ne­e­ring

A Ca­dil­lac, como de cer­ta for­ma era es­pe­ra­do, do­mi­nou a Roar Be­fo­re 24. Com uma nova equi­pa a ado­tar o DPi-V.R, a Spi­rit of Day­to­na, eram 4, os car­ros en­vol­vi­dos nas hos­ti­li­da­des da Roar Be­fo­re 24 de 2018 por par­te da mar­ca de Nova Yor­que. Esta Roar Be­fo­re 24 trou­xe como no­vi­da­de uma pro­va de qua­li­fi­ca­ção no do­min­go, para de­ci­dir os lu­ga­res na pi­tla­ne e ga­ra­gens para a pro­va a re­a­li­zar de aqui a quin­ze dias na Day­to­na In­te­na­ti­o­nal Spe­edway.

A mar­ca nova-ior­qui­na do­mi­nou to­das as ses­sões de trei­nos, tal como fo­mos no­ti­ci­an­do ao Lon­go do fim-de se­ma­na, com o Ac­ti­on Ex­press Mu­tang Sam­pling #5 a do­mi­nar o pri­mei­ro dia, O Ko­ni­ca Mi­nol­ta #10 a do­mi­nar as ses­sões 3 e 7, o re­cém che­ga­do Spi­rit of Day­to­na #90 a as­su­mir o co­man­do da 6ª ses­são e com o Ac­ti­on Ex­press Whe­len En­gi­ne­e­ring #31 a as­su­mir as 4ª, 5ª ses­sões e a qua­li­fi­ca­ção, ten­do sido o pri­mei­ro a bai­xar do se­gun­do 37 (na quar­ta ses­são) e o úni­co a bai­xar do se­gun­do 35 (na qua­li­fi­ca­ção) ter­mi­nan­do com o tem­po fi­nal de 01:35.806 ( re­cor­de-se que a vol­ta mais rá­pi­da da pro­va do ano pas­sa­do, foi 01:36:269 e que o tem­po da pole foi de 01:36.903, am­bos re­a­li­za­dos pelo Ca­dil­lac DPi-V.R Mus­tang Sam­pling #5).

Mes­mo sa­ben­do que há al­gum jogo es­con­di­do e com­pa­ran­do as qua­li­fi­ca­ções da pro­va de 2017 e esta da Roar be­fo­re 24, os Ca­dil­lac DPi-V.R com o novo mo­tor, mais pe­que­no, de 5.5L, fo­ram con­sis­ten­te­men­te de 0,51 se­gun­do mais rá­pi­dos que no ano tran­sa­to. Quan­to aos res­tan­tes os Acu­ra DPi fo­ram os me­lho­res, mas com o me­lhor car­ro a 0.517 se­gun­dos do pior Ca­dil­lac. Este foi tam­bém o úni­co não Ca­dil­lac a bai­xar do se­gun­do 36 (Acu­ra DPi #6, Team Pens­ke, Pa­ge­naud, Mon­toya e Ca­me­ron 01:36.988). Ao lon­go de to­das as ses­sões o Ore­ca LMP2 da Core Mo­tors­port foi o que an­dou mais per­to dos Ca­dil­lac, com uma di­fe­ren­ça 0,107s na se­gun­da ses­são, mas numa al­tu­ra onde ain­da se ro­da­va no se­gun­do 37.

Nos GTLM, o Ford GT #66 da Chip Ga­nas­si Ra­cing com Dirk Mul­ler, Se­bas­ti­en Bour­dais e Joey Hand, fe­chou as hos­ti­li­da­des com o me­lhor tem­po (01:43.610) Se­gui­do do Cor­vet­te #4 e do Ford GT #67. To­dos os 6 pri­mei­ros da clas­se fi­ca­ram den­tro de uma di­fe­ren­ça in­fe­ri­or a 0,5s. De­si­lu­são fo­ram os BMW M8GTE, cujo me­lhor clas­si­fi­ca­do fi­cou mais de 1 se­gun­do atrás do pior dos ou­tros. Mui­to tra­ba­lho a de­sen­vol­ver pela mar­ca bá­va­ra, na pre­pa­ra­ção des­te novo mo­de­lo que, é bom não es­que­cer, é o úni­co car­ro da gre­lha com­ple­ta­men­te novo. Algo ex­pec­tá­vel, mas que não se co­a­du­na co­mas afir­ma­ções do res­pon­sá­vel da di­vi­são Mo­tors­port ao site Ra​cer​.com e que de­mos con­ta aqui na JL­press

Na ca­te­go­ria GTD, o me­lhor tem­po da qua­li­fi­ca­ção ob­ti­do pelo Lam­borghi­ni Hu­ra­can GT3 da GRT Gras­ser Ra­cing Team (01:47.374), não foi o me­lhor tem­po des­ta clas­se. Esse, foi ob­ti­do pelo mes­mo car­ro na 1ª ses­são de trei­nos. Dos ou­tros car­ros en­vol­vi­dos, o Pors­che 911 GT3 R da Manthey Ra­cing foi o que con­se­guiu o me­lhor tem­po 01:47.125 na ter­cei­ra ses­são de trei­nos que ter­mi­nou no topo da ta­be­la.

Quan­to aos Por­tu­gue­ses e para além dos na­tu­rais pro­ta­go­nis­tas da Ca­dil­lac, João Bar­bo­sa e Fi­li­pe Al­bu­quer­que; dois ini­ci­a­vam-se nes­tas an­dan­ças de Day­to­na. An­tó­nio Fé­lix da Cos­ta, nos pro­tó­ti­pos, na Ja­kie Chan DCR Jota, com o Ore­ca LMP2 #78 que ter­mi­nou a qua­li­fi­ca­ção na 9ª po­si­ção (em 20) com o tem­po de 01:37.274, ape­nas a 0,286s do me­lhor dos acu­ra e a me­nos de um se­gun­do de di­fe­ren­ça do pior dos Ca­dil­lac. Sa­ben­do que a Roar não é um lu­gar onde as equi­pas mos­tram o jogo, acre­di­ta­mos que Fé­lix da Cos­ta e seus com­pa­nhei­ros te­rão es­pa­ço de ma­no­bra para fa­zer um bri­lha­re­te, pois numa cor­ri­da de 24 ho­ras, tudo pode acon­te­cer e ne­nhum trei­no o po­de­rá an­te­ci­par.

Acura NSX GT3 #86, Michael Shank Racing; Trent Hindman, Katherine Legge, AJ Allmendinger, Alvaro Parente
Acu­ra NSX GT3 #86, Mi­cha­el Shank Ra­cing; Trent Hind­man, Kathe­ri­ne Leg­ge, AJ All­men­din­ger, Al­va­ro Pa­ren­te

Quan­to a Ál­va­ro Pa­ren­te, ter­mi­nou a qua­li­fi­ca­ção na 4ª po­si­ção, che­gan­do mes­mo a ro­dar em ter­cei­ro du­ran­te gran­de par­te do trei­no, dei­xan­do bem cla­ro por­que Mi­cha­el Shank o cha­mou para dis­pu­tar a NAEC 2018.

Foi um bom pri­mei­ro con­tac­to com a equi­pa, car­ro e cir­cui­to! Fo­mos evo­luin­do ao lon­go dos três dias de tes­tes e na qua­li­fi­ca­ção para os lu­ga­res das bo­xes es­ti­ve­mos bem. Me­lho­rá­mos o car­ro e te­mos ain­da mar­gem para pro­gre­dir. O mais im­por­tan­te é co­lo­car o au­to­mó­vel o mais efi­caz pos­sí­vel para a cor­ri­da”;

Es­tou a adap­tar-me mui­to bem à equi­pa e gos­to do sis­te­ma de tra­ba­lho de toda a es­tru­tu­ra, o que aju­da que a am­bi­en­ta­ção seja mais rá­pi­da. Toda gen­te é mui­to fo­ca­da em tor­nar o car­ro mais rá­pi­do e com­pe­ti­ti­vo, o que me dei­xa mui­to agra­da­do, dado que sei que es­ta­mos to­dos a tra­ba­lhar para po­der­mos con­quis­tar bons re­sul­ta­dos. Pen­so que te­mos os in­gre­di­en­tes para uma boa tem­po­ra­da”. Con­cluiu o pi­lo­to por­tu­guês.

A JLpress errou!

É ver­da­de, a pe­sar de tudo a ju­ven­tu­de da JL­press pe­sou e nós er­ra­mos ao es­que­cer-nos da par­ti­ci­pa­ção de Pe­dro Lamy. Na ver­da­de não foi um es­que­ci­men­to, mas uma fal­ta de aten­ção, pois ape­nas aten­de­mos aos press que re­ce­be­mos e não fo­mos ve­ri­fi­car, como se­ria de es­pe­rar, a lis­ta de ins­cri­tos.

O Pe­dro é um pi­lo­to que es­ti­ma­mos bas­tan­te e que nos tem dado mui­tas ale­gri­as ao lon­go da sua car­rei­ra. Em nos­sa opi­nião é uma das mais for­tes re­fe­rên­ci­as no au­to­mo­bi­lis­mo por­tu­guês, sen­do para nós um dos me­lho­res pi­lo­tos na­ci­o­nais de re­sis­tên­cia e um ele­men­to fun­da­men­tal nas equi­pas em que par­ti­ci­pa.

O Pe­dro Lamy par­ti­ci­pou nes­ta Roar ao vo­lan­te de um Fer­ra­ri 488 GT3 #51 da Spi­rit of the Race, na clas­se GTD, acom­pa­nha­do dos seus ha­bi­tu­ais par­cei­ros Mathi­as Lau­da, Paul Dal­la Lana e Da­ni­el Ser­ra . Foi du­ran­te al­gum tem­po o me­lhor Fer­ra­ri em pis­ta, mas ter­mi­nou a qua­li­fi­ca­ção na 14 po­si­ção com o tem­po de 01:47.988.

Pe­dro Lamy terá um iní­cio de ano algo exi­gen­te, com duas cor­ri­das de re­sis­tên­cia se­pa­ra­das por meio mun­do. a pri­mei­ra será a de Day­to­na, com 24 ho­ras e, no fim de se­ma­na se­guin­te na Aus­trá­lia, as 12 ho­ras de Bathurst. Em de­cla­ra­ções ao site Aque­la Ma­qui­na Pe­dro Lamy es­cla­re­ceu:

É cla­ro que é uma se­ma­na um bo­ca­do can­sa­ti­va, em es­pe­ci­al com tan­tas ho­ras de avião e as enor­mes di­fe­ren­ças de fu­sos ho­rá­ri­os, mas aca­ba por não ser di­fí­cil e adap­ta­mo-nos ra­pi­da­men­te”

Fi­cam as nos­sas des­cul­pas ao Pe­dro Lamy, aos seus com­pa­nhei­ros de equi­pa e à Spi­rit of the Race.

Artigos relacionados