3.º Lisboa Belém Open — MAIOR E MELHOR DAS TRÊS EDIÇÕES

Tom­my Robre­do na cer­imó­nia pro­to­co­lar de con­sagração de 2018 | Fotografia de Fer­nan­do Cor­reia
  • UM TOP-60 E DOIS TOP-100; OITO PRIMEIROS CABEÇAS DE SÉRIE NO TOP-160;
  • CUT-OFF NO 237.º POSTO;
  • 29 CAMPEÕES DE CHALLENGERS COM 5 DESTE ANO;
  • PEDRO SOUSA E JOÃO DOMINGUES COM ENTRADA DIRETA NO QUADRO PRINCIPAL;
  • GASTÃO ELIAS, FREDERICO SILVA E TIAGO CAÇÃO MERECEMWILD CARDS

A ter­ceira edição do Lis­boa Belém Open apre­sen­ta a sua mel­hor lista de inscritos de sem­pre e ofer­ece um desafi­ante con­fron­to entre as “vel­has raposas” do cir­cuito profis­sion­al e os “jovens lobos” esfomea­d­os de con­quis­tar o seu lugar ao sol.

Com 46.600 euros em prémios mon­etários, o mais impor­tante torneio de ténis do con­cel­ho de Lis­boa dis­pu­ta-se de 13 a 19 de maio, nos míti­cos courts do CIF – Club Inter­na­cional de Foot-Ball, no Reste­lo.

O Lis­boa Belém Open é orga­ni­za­do pela MP Ténis e pela Unis­ports, em parce­ria com a Fed­er­ação Por­tugue­sa de Ténis e o ATP Tour, com os deter­mi­nantes apoios da Câmara Munic­i­pal de Lis­boa e da Jun­ta de Fregue­sia de Belém, ben­e­fi­cian­do ain­da de um con­jun­to de patroci­nadores que acred­i­taram no pro­je­to des­de o iní­cio.

O mais anti­go torneio de ténis por­tuguês no cal­endário do ATP Chal­lenger Tour traz, pela primeira vez, um jogador do top-60 mundi­al, o francês Adri­an Man­nar­i­no, um vice-campeão da Taça Davis no ano pas­sa­do.

Tal como na sua primeira edição, vol­ta a ofer­e­cer dois top-100 do rank­ing do ATP Tour, graças à pre­sença do argenti­no Gui­do Andreozzi; e ape­sar de ele­var o número de par­tic­i­pantes, de 32 para 48, o aumen­to quan­ti­ta­ti­vo foi acom­pan­hado de uma subi­da qual­i­ta­ti­va, ao osten­tar o mel­hor cut-off destes três primeiros anos.

Gui­do Andreozzi no Mil­len­ni­um Esto­ril Open de 2019 | Fotografia ©JLpress/RuiElias

Se Adri­an Man­nar­i­no, com as suas seis finais dis­putadas em torneios do ATP Tour, uma das quais de cat­e­go­ria 500, é a grande figu­ra e o primeiro cabeça de série, depois de ter ben­e­fi­ci­a­do de um con­vite (“wild card”) do pro­mo­tor e dire­tor de torneio, Manuel de Sousa, há out­ros grandes vul­tos que lhe fazem som­bra.

A começar pelo pres­ti­gia­do campeão do ano pas­sa­do, o espan­hol Tom­my Robre­do, que regres­sa para ten­tar defend­er o títu­lo, sem­pre com a mes­ma ambição aos 37 anos, como se ain­da tivesse de provar algu­ma coisa, do alto do seu fab­u­loso pal­marés de 12 troféus do ATP Tour.

A rivalizar em destaque mediáti­co com Man­nar­i­no e Robre­do, estão dois por­tugue­ses com entra­da dire­ta no quadro prin­ci­pal, Pedro Sousa e João Domingues, ambos atle­tas do CIF.

Pedro Sousa, aos 30 anos, tornou-se este ano no mais vel­ho jogador por­tuguês de sem­pre a entrar pela primeira vez no top-100 mundi­al, um obje­ti­vo de lon­ga data. Este ano é o ter­ceiro cabeça de série, esta sem­ana na 105.ª posição ATP, e regres­sa com as ambições nat­u­rais de quem foi quar­to­fi­nal­ista na primeira edição e semi­fi­nal­ista no ano pas­sa­do. A lesão (entorse) sofri­da no Clube de Ténis do Esto­ril há duas sem­anas impediu-o de defend­er o títu­lo do Bra­ga Open que se dis­pu­ta esta sem­ana, pelo que o CIF mar­ca o seu regres­so à com­petição.

Millennium Estoril Open 2019, round of 32, Pedro Sousa no Jogo contra Reilly Opelka | Fotografia ©JLpress/RuiElias
Mil­len­ni­um Esto­ril Open 2019, round of 32, Pedro Sousa no Jogo con­tra Reil­ly Opel­ka | Fotografia ©JLpress/RuiElias

João Domingues tam­bém fez história este ano ao tornar-se ape­nas no segun­do por­tuguês (depois de João Sousa em 2018) a chegar aos quar­tos de final do Mil­len­ni­um Esto­ril Open, em cin­co anos desse torneio luso do ATP Tour. Um resul­ta­do que per­mi­tiu-lhe regres­sar ao top-200 mundi­al.

Para além de Pedro Sousa e João Domingues haverá mais por­tugue­ses em pro­va graças a con­vites atribuí­dos por Manuel de Sousa, em con­sonân­cia com os obje­tivos e as indi­cações da Fed­er­ação Por­tugue­sa de Ténis.

Gastão Elias, um anti­go top-60 mundi­al, está de vol­ta e procu­ra reen­con­trar-se com as suas mel­hores exibições depois de uma primeira metade da época em que não pode com­pe­tir tan­to quan­to dese­jaria.

Gastao Elias, Millennium Estoril Open 2019, 1st Round Qualifying | Fotografia ©JLpress/RuiElias
Gas­tao Elias, Mil­len­ni­um Esto­ril Open 2019, 1st Round Qual­i­fy­ing | Fotografia ©JLpress/RuiElias

Tia­go Cação dese­ja provar a apos­ta que tem sido fei­ta nele pelo Cen­tro de Alto Rendi­men­to – Jogos San­ta Casa da FPT, num per­cur­so ascen­sion­al que o lev­ou já a seis finais de torneios da cat­e­go­ria Future des­de o iní­cio do ano pas­sa­do.

Fred­eri­co Sil­va, fusti­ga­do por lesões, aca­ba de regres­sar à com­petição depois de uma cir­cur­gia para remover uma hér­nia. O inter­na­cional por­tuguês da Taça Davis, anti­go n.º6 mundi­al de sub-18, tem 15 títu­los de Futures na car­reira, 5 dos quais aver­ba­dos no ano pas­sa­do antes da lesão.

Com Pedro Sousa, João Domingues, Gastão Elias e “Kiko” Sil­va estarão no CIF os jogadores que mais têm ladea­do o n.º1 por­tuguês João Sousa na selecção nacional da Taça Davis.

Millennium Estoril Open 2019, round of 32, Joao Domingues no Jogo contra Alex De Minaur. | Fotografia ©JLpress/RuiElias
Mil­len­ni­um Esto­ril Open 2019, round of 32, Joao Domingues no Jogo con­tra Alex De Minaur. | Fotografia ©JLpress/RuiElias

A qual­i­dade dos inscritos do Lis­boa Belém Open de 2019 é tal que só essa subi­da de João Domingues para o 185.º pos­to ATP garan­tiu-lhe um lugar entre os 16 cabeças de série, fazen­do com que fique isen­to da primeira ron­da.

Os 16 pré-des­ig­na­dos são os seguintes: Adri­an Man­nar­i­no (França/56.º ATP), Gui­do Andreozzi (Argentina/92.º), Pedro Sousa (Portugal/105.º), Alex­ei Popy­rin (Austrália/111.º), Bjorn Fratan­ge­lo (Esta­dos Unidos/141.º), Pedro Mar­tinez (Espanha/146.º), James Duck­worth (Austrália/154.º), Mar­cos Giron (Esta­dos Unidos/157.º); Facun­do Bag­nis (Argentina/159.º), Loren­zo Giusti­no (Itália/161.º), Alessan­dro Gian­nes­si (Itália/164.º), Fil­ip Horan­sky (Eslováquia/166.º), Mitchell Krueger (Esta­dos Unidos/170.º), Enrique Lopez Perez (Espanha/172.º), Quentin Halys (França/176.º), João Domingues (Portugal/185.º).

Com os oito primeiros cabeças de série entre os primeiros 160 do rank­ing mundi­al e todos os 16 pré-des­ig­na­dos den­tro do top-190, tra­ta-se de um Chal­lenger fortís­si­mo, mas há out­ros dados que o com­pro­vam.

Em 2019, o últi­mo jogador a entrar dire­ta­mente no quadro prin­ci­pal é Vik­tor Troic­ki, como 237.º no ATP Tour. No ano pas­sa­do fora Lukas Rosol, com a cotação 258.º e em 2017 esse pos­to foi ocu­pa­do por Pra­j­nesh Gunneswaran, então 274.º. É, de longe, o mel­hor cut-off de sem­pre.

Entre os 48 jogadores, temos, pelo menos, 29 que já gan­haram Chal­lengers, entre os quais os por­tugue­ses Gastão Elias (7), Pedro Sousa (5) e João Domingues (1).

E se con­tar­mos ape­nas com 2019, mes­mo assim, há cin­co campeões de torneios este ano: Mar­cos Girón em Orlan­do (bateu Gastão nas meias-finais), Mitchell Krueger em Dal­las, James Duck­worth em Bangue­coque, Enrique Lopez Perez em Zhuhai e Marc Poll­mans em Zhangji­a­gang.

A lista de inscritos enriquece-se tam­bém por jogadores que fazem parte dos anais da história do ATP Chal­lenge Tour em algu­mas estatís­ti­cas dis­tin­tas:

O norte-amer­i­cano Mar­cos Giron é o quar­to com mel­hor reg­is­to de encon­tros gan­hos e per­di­dos em 2019 nes­ta segun­da divisão mundi­al, com 20 vitórias e ape­nas 7 der­ro­tas, uma per­cent­agem de 74,11.

O japonês Go Soe­da é o ter­ceiro jogador com mais encon­tros gan­hos na história do ATP Chal­lenge Tour, com 372 vitórias e 210 der­ro­tas, e aparece tam­bém como o quin­to tenista com mais títu­los de Chal­lengers, num total de 18!

Final­mente, o espan­hol Daniel Gimeno Traver é um dos raros seis tri­cam­peões de um mes­mo torneio neste cir­cuito, ao vencer em Sevil­ha em 2011, 2012 e 2013.

Soe­da e Gimeno Traver inte­gram o lote de dez “trin­tões” pre­sentes, dese­josos de suced­erem ao mais vel­ho jogador da pro­va, Tom­my Robre­do, como campeões do Lis­boa Belém Open, mas o boni­to con­fron­to de ger­ações a que a cur­ta história do Lis­boa Belém Open já nos habitu­ou faz com que estes expe­ri­entes glad­i­adores sejam desafi­a­dos pela intraváv­el ren­o­vação do cir­cuito.

Pedro Keul, Lis­boa Belém Open Press Offi­cer.

Siga-me

Joao Lamares

Editor in Chief at JLpress News
Fotógrafo profissional desde 1999, colaborou com diversas empresas, agencias de publicidade e gabinetes de imprensa.
Colaborou com o Blog Fashion Heroines como fashion phortographer.
É o fotógrafo oficial da Colorida Art Gallery.
Fundou a JLpress Sport News and Photo em abril de 2016 onde acumula os cargos de Diretor de conteúdos e fotógrafo.
Joao Lamares
Siga-me