Filipe Albuquerque perto do pódio nas 24h de Daytona

Adver­tise­ments

A quar­ta par­tic­i­pação de Fil­ipe Albu­querque nas 24h de Day­tona podia ter-se traduzi­do em mais uma vitória na emblemáti­ca pro­va amer­i­cana, não fos­se, cer­ca de três horas e meia do final, um prob­le­ma no eixo tra­seiro do Corvette. Na altura do acon­tec­i­men­to Fil­ipe Albu­querque esta­va na primeira posição da tabela e viu-se obri­ga­do a uma entra­da força­da nas box­es para resolver o prob­le­ma, per­den­do cin­co voltas com a oper­ação. Fica­va assim por ter­ra as aspi­rações do pilo­to por­tuguês e dos seus com­pan­heiros de equipa, João Bar­bosa, Chris­t­ian Fit­ti­pal­di e Scott Pruett de subir ao lugar mais alto do pódio, quedan­do-se por um inglório quar­to lugar.

Uma cor­ri­da dura mas sem per­calços para o quar­te­to Action Express Rac­ing até àquele momen­to, o que deixa Fil­ipe com um amar­go de boca: “Foi uma enorme desilusão. Os primeiros lugares foram sem­pre muito dis­puta­dos mas estive­mos sem­pre lá. Víamos a vitória como uma real­i­dade a alcançar e de repente todo o tra­bal­ho e esforço a traduzir-se somente no quar­to lugar. Não é um mau resul­ta­do, mas não era o que está­va­mos á espera. Fica a sat­is­fação do exce­lente tra­bal­ho que pilo­tos e equipa fiz­er­am ao lon­go de toda a cor­ri­da. Nada há faz­er, sabíamos que o suces­so depen­dia de um sem número de fac­tores. Ago­ra já só pen­so em Sebring e na vitória que quer­e­mos con­quis­tar”, expli­cou o pilo­to por­tuguês que lid­er­ou a pro­va durante várias horas.

 

Via Make-News/Rute Vieira

Pho­to IMSA

 

Similar Posts: