TERROR E MISÉRIA NO TERCEIRO REICH de Bertolt Brecht

TERROR E MISÉRIA NO TERCEIRO REICH, de Bertolt Brecht, com tradução de Fia­ma Has­se Pais Brandão, retra­ta a sociedade alemã sob o regime total­itário nazi.

Nes­ta ence­nação de António Pires, com músi­ca ao vivo de Nico­las McNair, 10 actores dão vida às per­son­agens do tex­to do dra­matur­go alemão que retra­ta a decadên­cia de uma sociedade sufo­ca­da pelo ter­ror e cuja pro­pa­gan­da foi fun­da­men­tal para a ascenção e manutenção do regime total­itário nazi.

O tex­to de tragé­dia e mis­éria que Brecht escreveu entre 1935 e 1938, durante o seu exílio, na Dina­mar­ca , rev­ela a desagre­gação men­tal do Alemão comum, divi­di­do entre leal­dades e medos e inca­paz de decidir entre o que é cor­rec­to e o que é seguro.

A afir­mação céni­ca de António Pires per­mite uma real exposição do indi­ví­duo patéti­co, crente e con­vic­to de que aqui­lo que sub­screve é o mel­hor para si e para o mun­do e dá-nos uma imagem trag­icómi­ca de como situ­ações sim­ples se tor­nam um emaran­hado de riscos e con­se­quên­cias, quan­do todas as respostas têm de ser pon­der­adas e nun­ca se sabe exata­mente o que deve ser dito, ou de que modo o diz­er.

Com­pos­ta por 15 cenas inde­pen­dentes, aparente­mente desconexas, a peça encon­tra a sua unidade no títu­lo, uma vez que cada uma das cenas cur­tas reflecte uma fac­eta do nazis­mo.

Tra­ta-se de uma sucessão de retratos que ilus­tram que o nazis­mo não era exer­ci­do ape­nas por con­gem­i­nadores, demónios e mon­stros, mas por gente que facil­mente nos vende­ria um café, nos prestaria um serviço, nos daria aulas e nos seria igual enquan­to cidadão comum.

São cenas de jul­ga­men­tos, da vida de tra­bal­hadores social­is­tas e comu­nidades judaicas e da vida esco­lar da juven­tude hit­le­ri­ana onde se percebe, em cada diál­o­go, o medo de uma sociedade sufo­ca­da pelo nazis­mo de Hitler.

Mais do que retratar uma déca­da mer­gul­ha­da em equívo­cos, Brecht leva-nos a uma pro­fun­da reflexão de como toda uma sociedade pode ser per­me­abi­liza­da pelo mal.

Ficha técnica

Ter­ror e Mis­éria No ter­ceiro Reich
de Bertolt Brecht;

Ence­nação: António Pires;

Com: Adri­ano Luz, Car­oli­na Ser­rão, Fran­cis­co Vis­tas, Inês Cas­tel-Bran­co, Jaime Bae­ta, João Bar­bosa, João Maria, Mário Sousa, Rafael Fon­se­ca, San­dra San­tos;

Cri­anças: Manuel Encar­nação e Tomás Andrade; Pianista: Nicholas McNair;

Tradução: Fia­ma Has­se Pais Brandão;
Cenografia: Alexan­dre Oliveira;
Fig­uri­nos: Luís Mesqui­ta;
Músi­ca orig­i­nal: Nicholas McNair;
Desen­ho de som: Paulo Abel­ho;
Desen­ho de luz: Rui Seabra;
Car­ac­ter­i­za­ção: Ivan Colet­ti;
Mes­tra Cos­tureira: Rosário Bal­bi;
Assis­tente de ilu­mi­nação: Cláu­dio Mar­to;
Assis­tente de som: Guil­herme Alves;
Con­strução de cenários: Fábio Paulo;
Cos­tureiras: Luísa Sousa; Fáti­ma Figueire­do e Con­ceição Peixo­to;
Estag­iárias de car­ac­ter­i­za­ção: Cláu­dia Sobral, Fil­i­pa Pesca, Jacque­line Tomé, Joana Clemente, Susana Alves e Tamiris Hol­lan­da;
Estag­iárias de guar­da-roupa: Lua­na da Sil­va, Man­sy Singh;
Ilus­tração: Joana Villaverde;
Pro­dução exec­u­ti­va: Mar­ta Mor­eira e Ivan Colet­ti;
Admin­is­tração de pro­dução: Ana Bor­da­lo;
Comu­ni­cação: Maria João Moura;
Pro­du­tor: Alexan­dre Oliveira;
Pro­dução: Ar de Filmes/Teatro do Bair­ro.
M/12

Agradec­i­men­tos: Irene Flunser Pimentel, Luísa Cos­ta Gomes, TNSC, Tur­is­mo de Lis­boa

Siga-me

Joao Lamares

Editor in Chief at JLpress News
Fotógrafo profissional desde 1999, colaborou com diversas empresas, agencias de publicidade e gabinetes de imprensa.
Colaborou com o Blog Fashion Heroines como fashion phortographer.
É o fotógrafo oficial da Colorida Art Gallery.
Fundou a JLpress Sport News and Photo em abril de 2016 onde acumula os cargos de Diretor de conteúdos e fotógrafo.
Joao Lamares
Siga-me