• geral@jlpress.com
  • October 14, 2019
AMG F1 W10 EQ Power +, #77, 2019 Australian Grand Prix, Sunday - LAT Images
0 Comments
2019 Australian Grand Prix, Sunday - LAT Images
Valtteri Bottas winner 2019 Australian Grand Prix – LAT Images

Todos ficamos com a impressão, após Barcelona, que este seria o ano da Ferrari. Pois bem, até pode ser, mas o GP da Austrália foi para Bottas e para a Mercedes.

As qualificações tinham deixado perceber que podia haver surpresas na corrida. Hamilton classificou-se com menos 0,7 seg que o Ferrari de Vettel que, por sua vez, se ficou pela terceira posição a apenas 0,130 do Redbull-Honda de Verstappen.

Não! a Ferrari não estava bem. No entanto, treino e qualificações são uma coisa e corrida é outra. Não podia ser mais verdade! No ano em que Bottas tem mostrar serviço para segurar o seu lugar na equipa, na primeira corrida após um ano de 2018 menos feliz, o finlandês não esteve com cerimonias, saltou para o primeiro lugar logo na partida, não dando espaço a ninguém, e ali ficou até cortar a meta. Nas últimas voltas, quando apenas necessitava de gerir o ritmo e após saber que Verstappen tinha feito a melhor volta, Bottas decidiu que queria sair de Melbourne com tudo a que tinha direito e mesmo com o seu engenheiro a aconselhar calma, ele fez a melhor volta da corrida, como quem diz: “peço desculpa, mas hoje é tudo meu. Não quero só 25 pontos por vencer a corrida, quero mais um pela volta mais rápida. Eu vou sair daqui com 26 pontos, nem que a vaca tuça!”

É desta fibra que se fazem os campeões. Se queres vingar na formula um, é este tipo de atitude que se espera de ti.

Lewis Hamilton, AMG F1 W10 EQ Power +, #44, 2019 Australian Grand Prix, Wolfgang Wilhelm
Lewis Hamilton, AMG F1 W10 EQ Power +, #44, 2019 Australian Grand Prix, Wolfgang Wilhelm

Bottas ganhou e deixou Hamilton a mais de 20 seg na segunda posição. A Mercedes veio esclarecer, mais tarde, que havia um problema com o fundo do carro de Hamilton e que, por isso, o penta campeão tinha levado a abada que levou. Certo, acredito que sim, mas Lewis Hamilton que se cuide, pois Bottas está aí para marcar posição e, se poder ser campeão, não se vai fazer rogado.

Quem também não se fez rogado, foi Verstappen. O holandês que apesar da sua pouca idade, cumprirá no final desta época 100 GP realizados, quis marcar posição e mostrar que os Redbull, agora com motor Honda, estão aí para bater o pé e disputar as vitórias em corrida.

Max Verstappen of the Netherlands driving the (33) Aston Martin Red Bull Racing RB15 makes a pitstop during the F1 Grand Prix of Australia at Melbourne Grand Prix Circuit on March 17, 2019 in Melbourne, Australia. (Photo by Mark Thompson/Getty Images)
Max Verstappen of the Netherlands driving the (33) Aston Martin Red Bull Racing RB15 makes a pitstop during the F1 Grand Prix of Australia at Melbourne Grand Prix Circuit on March 17, 2019 in Melbourne, Australia. (Photo by Mark Thompson/Getty Images)

O jovem piloto da Redbull deixou Vettel e o seu Ferrari a quase 35 seg e terminou a corrida a 1.6s de Hamilton. Isto porque umas voltas antes de terminar, ao tentar surpreender o britânico da Mercedes, alargou demasiado a trajetória e saiu de pista. Hamilton teve de se defender e aquelas últimas voltas não foram favas contadas para o atual campeão do mundo.

Os Ferraristas saíram de Melbourne pensativos(digo eu). Na verdade para o que é normal, eles ficaram em… último. Mais ou menos equidistantes em tempo, do grupo da frente e do segundo pelotão, para a Ferrari isto foi pior que desistir. Se tivessem desistido, poder-se-ia atribuir a responsabilidade a qualquer outra coisa, pneus, falha mecânica, acidente… assim não! A corrida da Ferrari foi um desastre (este é um artigo de opinião, logo esta é a minha opinião) com Vettel no final da corrida a andar para trás. Só não foi passado por Leclerc porque alguém deve ter esclarecido o piloto monegasco que era preferível que as coisas acabassem assim como estavam. A posição em que se encontravam e o que daí resultasse após a ultrapassagem de Leclerc a Vettel era exatamente o mesmo, pelo que não merecia a pena correr riscos. Não este não foi o GP que qualquer individuo mais ou menos informado, existente na face da terra, esperasse da marca italiana. Esperemos que tenha sido uma vez sem exemplo e que a Ferrari se apresente no Bahrain ao nível que a F1 merece.

Uma última palavra para as restantes equipas. Haas, Renault, Alfa Romeo, Racing Point e Toro Rosso terminaram nos lugares seguintes que davam direito a pontos. Oito equipas nos 10 primeiros lugares. Do sétimo lugar, inclusivé, até ao 10º, todos terminaram com menos uma volta e apenas os williams terminaram com menos 2 voltas (George Russel) e menos 3 voltas (Robert Kubica).

O segundo pelotão está mais junto, mais competitivo, mas é preciso fazer mais para se chegarem à frente. Vamos ver; o GP da Austrália pelas suas características próprias não serve de exemplo para o resto do campeonato. Só na China, naquele que será o milésimo GP da F1, se poderá perceber melhor. Até lá, boas corridas!

Partilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *